Please reload

PROCURE POR TAGS: 

05.08.2020

04.08.2020

11.07.2020

07.07.2020

Please reload

POSTS RECENTES: 

SIGA

  • Facebook Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • Instagram Clean Grey

A TRANSFORMAÇÃO

04.02.2020

O encontro foi como o possível.

 

De longe. Pela tela. Pelo olhar demorado. Pelo silêncio repleto de escuta. Pelas palavras cheias de sentido – fossem poucas, vindas como a conta-gotas, fossem em histórias longas, inspiradas, inspiradoras.

 

O encontro foi como o possível.

 

E se ela desejou fazer. Comer. Pipoca.

 

E se ele fez que sentiu o cheiro. Deixou a boca encher-se de água. Desejou o mesmo. Procurou no armário. Achou. E fez estourar o milho.

 

Foi uma festa o alimentar-se. De longe. Pela tela. Pelo barulho. Pelo esparramar das flores brancas corpo abaixo. Pela tentativa de acertar uma delas na boca aberta que se via do outro lado.

 

E se foi de sorrisos a brincadeira.

 

E se foi a fome o que fez aquilo tudo começar.

 

Tinham já. O alimento. Para o corpo. Para a alma. Dos dois. Já em conexão. Não apesar. Mas também. Por causa dela. A distância.

 

Era preciso permitir outras formas.

 

Outro caminhar. Encontro. Desencontro. Na paciência. Necessária para o ajuste da rota.

 

Naquela madrugada. Foi de pipoca.

 

A pipoca rito. A pipoca ritual. A pipoca que sacraliza. A pipoca que reverencia.

 

A pipoca-símbolo. De resiliência. De transformação. De renascimento. De ressignificação.

 

A pipoca feita assim pelo efeito do fogo. Ele matura. Madura. Apronta. Aquece.

 

Precisa de seu tempo certo. Para não passar. Para não queimar. Para não desandar. Para não ser esquecido. O conteúdo.

 

Precisa de ajustes na temperatura. Alta para ferver. Média para dar o ponto. Branda ao final. Para a manutenção. De texturas. Para o apuro. Do sabor. Para o agarrar-se. Do tempero.

 

O antes milho. Tão ressequido. Sequioso de ser outro. Desinformado da sua possibilidade. Semente. Esperando. Terreno fértil. Fogo. Para abrir-se. Florescer.

 

Na madrugada, brilho. De experimentos.

 

Mãos cheias.

 

Uma por uma.

 

Boca esborratando.

 

Excesso.

 

Desperdício.

 

O encontro foi como o possível.

 

De longe. Pela tela. Pelo olhar demorado.

 

A cena era inesquecível. Ele era bonito. Comendo pipoca.

 

Ela sabia.

 

Ele sabia.

 

Comida nunca é só comida.

 

Pipoca não era só pipoca.

 

Para quem saúda os Erês. Para quem pede licença ao chegar. Para quem oferece balas e moedas.

 

A pipoca era o corpo dado em sacrifício. Sacro. Oficio. Cio. Pipoca.

 

Como disse Rubem Alves, “a transformação só acontece pelo poder do fogo. Milho de pipoca que não passa pelo fogo continua a ser milho de pipoca, para sempre. Assim acontece com a gente. As grandes transformações acontecem quando passamos pelo fogo. Quem não passa pelo fogo fica do mesmo jeito, a vida inteira”.

 

Comendo a pipoca. Cada um a seu jeito. Cada um no seu canto.

 

Aqueles dois se faziam passar pelo próprio fogo. O mesmo em que se colocaram. Em que se permitiam estar. Para deixar acontecer uma transformação. Barulhenta como pipoca na panela. Saltitante como o minuto do espocar. Apetitosa como a que se se mastiga. Melada. Como os dedos lambidos de sal.

 

Como disse Rubem Alves, “o milho da pipoca não é o que deve ser. Ele deve ser aquilo que acontece depois do estouro”.

 

Aqueles dois se calaram. Para ouvir os seus barulhos.  

 

 

Imagem de Leonardo Alvarado por Pixabay 

 




 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

© 2017 por Waleska Barbosa. Orgulhosamente criado com Wix.com por Mauro Siqueira.

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round