Please reload

PROCURE POR TAGS: 

11.03.2020

29.01.2020

28.01.2020

27.01.2020

Please reload

POSTS RECENTES: 

SIGA

  • Facebook Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • Instagram Clean Grey

SOU A BABÁ DA MINHA FILHA

13.06.2018

- Mãe, acho que as pessoas pensam que eu não sou sua filha.

 

- Por que?

 

- Porque você é marrom. Mas não tem problema. Eu sei que você é minha mãe. Mas se eu fosse adotada, iria te amar do mesmo jeito.

 

- Deve ser o que elas pensavam quando viam eu e sua avó juntas. Só que ela é que tinha a pele clara. E sobre ser adotada, não há diferença. Não é preciso dizer a palavra. As pessoas são filhas. E mães. E pronto.

 

Em outros tempos, o diálogo com minha filha de quase oito anos iria me exasperar. Mas me sinto cada vez mais pronta para recebê-lo com leveza.

 

Isso não é segredo. Nem tabu. Nem palavra proibida. É o que é. Somos o que somos. Simples assim. Termos a cor da pele diferente já não me assusta.

 

Quando nasceu, a enfermeira que a pôs no meu colo disse: - Mãe, sua Morena é rosa.

 

Um pouco mais tarde, outra profissional da saúde falou: - Ela é sua filha enquanto estiver no peito. Depois, você será considerada a babá.

 

Refleti que não haveria problema. Mas me jogou na cara o tratamento que as babás recebem. Nos parquinhos, nos restaurantes, lugares públicos. Situações onde não há diálogo. Troca de experiência. Olhos nos olhos. E até respeito.

 

Se eu estiver com a filha, acompanhada por qualquer um de pele mais clara que a minha, as pessoas se reportam ao outro, mesmo sendo eu a pessoa que fala. A resposta não vem para mim. Mas para a “mãezinha”, que nunca sou eu. Isso é de uma pequeneza que nunca cheguei a entender. E, por sorte, parei de tentar fazê-lo.

 

O ponto de virada veio quando percebi que começava a evitar sair sozinha com a pequena. A delegar ao pai as missões externas. Por outro lado, ao estarmos os três juntos, uma tranquilidade me invadia. A família legitimada pela cor da pele do meu companheiro de então. E livre do estigma. Podia fazer meu papel de esposa, mãe e de exercer a profissão que tenho.

 

O confronto final veio com a separação do pai de Morena. Agora, éramos nós duas.

 

Ou eu encarava o mundo lá fora/cá dentro, ou estaria condenada a um confinamento irreversível. Encurralada por paredes de certa forma invisíveis. O inimigo estaria em todo o lugar. E vencê-lo seria algo maior do que minhas forças.

 

Decidi lutar. Não pensando em cada julgamento ou pessoa com quem pudesse cruzar, e que veria em nós qualquer coisa que não fôssemos.

 

Venço as amarras internas. Grito-me negra, parafraseando Victoria Santa Cruz.

 

Insiro nas nossas vidas a questão racial. Mostro Manoel Barbosa, meu pai preto. Mostro Maria Barbosa, a mulher de pele clara que me pariu. Falo de misturas. Da família do pai.

 

É o que é. Somos o que somos. E, sim, sou a babá da minha filha.

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

© 2017 por Waleska Barbosa. Orgulhosamente criado com Wix.com por Mauro Siqueira.

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round