PROCURE POR TAGS: 

POSTS RECENTES: 

SIGA

  • Facebook Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • Instagram Clean Grey

RECEITA DE FESTA

Olhando para trás vejo que as comemorações de aniversário de minha filha têm uma identidade que se mantém.

Dessa vez, para os sete anos, a escolha, que foi sempre pelo ar livre, parou em área pública. No gramadão em frente ao nosso bloco.

A festa já levou 365 dias de preparo. Agora, dois. Não que seja o ideal. Recomendo um pouco mais de tempo. De calma. De programação.

Ela fez o convite – escreveu o texto com a gramática possível e fez o desenho, que passou por um tratamento básico e seguiu pelo WhatsApp para o grupo da escola e amigos.

Para as comidas chamamos uma profissional e amiga, Mari, que fez, na nossa cozinha, pastinhas, hambúrguer caseiro, curau, caldo, cachorro quente, quibe, pão de queijo, pipoca. Os pães foram encomendados.

Os sucos – de fruta – também saíram da nossa cozinha e desceram em suqueiras – uma própria, duas emprestadas. Aproveitei uma receita recém-apresentada por uma colega de trabalho (abacate, limão e hortelã), que fez sucesso. A água estava saborizada com hortelã e rodelas de limão. O segundo suco foi maracujá.

O carrinho de algodão doce, coisa que eu faço questão porque remete a minha infância, foi nossa única extravagância. A única contratação.

A decoração foi feita pelo pai de Morena, Fábio, e um amigo, parceiro de trabalho, que ofereceu ajuda e ainda fez um belo registro fotográfico do evento.

Eles penduraram bandeirinhas de tecido (empréstimo da escola onde ela estuda) e Fábio assinou a mágica que encantou a todos – fez descer do alto da árvore faixas de tecido colorido que faziam lembrar lona de circo.

No chão, toalhas de piquenique (emprestadas de duas amigas, Marta e Tatiana) e

puffs de palha, emprestados também. Uma companheira do grupo que temos na

vizinhança, o Quadra Viva, emprestou umas mesas de madeira baixinhas e lindas.

Não usamos descartáveis. Nem balões. Evitamos os resíduos.

Outros enfeites e detalhes contaram com a participação dos convidados.

Descemos uma variedade de brinquedos da própria Morena – livros, fantoches, fantasias, instrumentos musicais, bloquinhos de madeira e outras miudezas.

Ela abriu a maior parte dos presentes e brincou com eles ali mesmo junto com outros pequenos.

Espalhei bolas, cordas e bambolês pela área.

No convite, pedimos levassem bicicletas, patins e alegria.

O último item teve de sobra.

Aliás, foi o melhor deles.

Eu estava insegura – nas festas anteriores tivemos contadores de histórias, monitora para pintura em tecido e outras atividades dirigidas.

Nesta, oferecíamos o gramadão.

E as crianças surpreenderam com o uso que fizeram dele.

Criaram brincadeiras e abusaram das tradicionais, como o jogo de futebol.

Espalharam-se pelas redondezas da quadra, cuidadas por pais que se revezavam ou brincavam junto.

Acho até que tiveram momentos sem vigilância direta. Como quando usaram as rodas que levaram. O que deve ter sido bom para elas.

Houve corrida com ovo (cozido) que soube ter sido um sucesso.

Morena tinha nos recomendado uma série de outras brincadeiras – queimada, gincanas.

Mas os responsáveis pelo cardápio do brincar foram os pequenos convidados.

O bolo foi feito por mim e por ela.

Não passaria no meu crivo. Mas ela adorou. Os convidados também. Muita gente pediu bis. Não sobrou nada.

Os doces foram presenteados pela minha cunhada – feitos por ela. E também sumiram rápido.

Na hora da desmontagem um mutirão com os remanescentes e vizinhos.

Em pouco tempo, só deixamos pegadas.

Chegamos em um formato que nos deixou muito satisfeitos.

Felizes mesmo.

Um evento de baixo orçamento.

E alta participação coletiva.

E afetiva.


© 2017 por Waleska Barbosa. Orgulhosamente criado com Wix.com por Mauro Siqueira.

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round