Please reload

PROCURE POR TAGS: 

05.08.2020

04.08.2020

11.07.2020

07.07.2020

Please reload

POSTS RECENTES: 

SIGA

  • Facebook Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • Instagram Clean Grey

AFETAR PELO AFETO

06.01.2019

Naquele domingo estiveram juntas. Mas bem distantes uma da outra. Havia um continente como empecilho para que se olhassem nos olhos. Não adiantou. Estiveram em rede. E como se ainda fossem as crianças, cresceram juntas. E não pela passagem do tempo. Mas pela troca de experiências. Pelo bate-papo. Pelo entrega. Pelo desafio. Aliviar as tristezas. Confortar as angústias. Modificarem-se sem demora. Uma cura de mão dupla. Em tempo real. Tal como a necessidade daquela interação. Real.

 

No começo, a voz desinteressada. Preguiçosa de tentativas. Depois, a empolgação. Uma vontade ainda incerta de seguir com a brincadeira. Tão séria. Agora que haviam crescido. O pacto. Ainda que não verbalizado. Ainda que sem gotas de sangue apertadas uma contra a outra para selá-lo. Era só vontade. De crescerem juntas.

 

Falaram sobre motivação. Sobre o que as afeta pelo afeto. Sobre o que gostariam de fazer. Sobre o que fazem – mesmo que quase vencidas pelo desânimo. Sobre o que estava pendente mesmo que fosse alvo de paixão. Sobre todos os se, os senões, os entretantos. Concluíram que todas as sementes já plantadas estavam latentes – como é da natureza das sementes.

 

Naquele dia, como se ainda fossem crianças, regaram-nas todas. Pela palavra. Já não havia distância uma da outra. O continente desvanecera-se. Pelo encontro. Pela voz. Pela coragem em se desnudar diante da outra. Pela palavra. A nudez abençoada. Estavam de alma lavada. Verdades desentranhadas. Eram pequenas. E não por evocar a criança que haviam sido juntas. Eram pequenas diante da grandeza do que foi acontecendo.

 

Uma ensinando à outra. Acalentando-se. Incentivando sonhos. Com o cuidado que os sonhos precisam receber para não se retraírem diante de si mesmos. Realizaram juntas. Ideias de escrita. Uma estava em pleno exercício. A outra, largara as palavras – talvez pela força que elas têm em mantê-la viva. Altiva. Pulsante. A força precisa ser tratada com leveza para que não atropele.

 

Primeiro, escolheram uma foto em comum. A partir dela, comporiam um texto. Cada uma a seu modo. Partindo de uma inspiração única. Deram-se o tempo necessário à criação. Ansiosas. Verteram palavras. Uma sobre o papel. A outra, sobre o teclado. Pronto? Prontas? Era hora da leitura. Atenta. Seguida pelos comentários. Entremeados pelo prazer. Da produção. Do feito. Melhor que o perfeito. Os estilos eram bem diferentes. Uma se assustou. A outra se divertiu com o efeito causado. A outra foi pueril.

 

Veio o regozijo. A surpresa. A alegria. O romper das amarras dado como certo. Sorriram. E como se ainda fossem as crianças, cresceram juntas.

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

© 2017 por Waleska Barbosa. Orgulhosamente criado com Wix.com por Mauro Siqueira.

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round