Please reload

PROCURE POR TAGS: 

05.08.2020

04.08.2020

11.07.2020

07.07.2020

Please reload

POSTS RECENTES: 

SIGA

  • Facebook Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • Instagram Clean Grey

SOBRE O QUE NÃO SE DIZ. MAS É DITO

19.06.2018

Penso em você. Bastante.

 

O bom dia que não digo, digo. E você não diz mais também. Mas eu ouço.

 

Não sei os seus motivos. Os meus é que está muito cedo. Depois, hora alta. Depois, já não se dá bom dia. Mas boa tarde. E um ‘boa tarde’ nunca trocamos. Penso.

 

E a tarde é a hora mais complexa. É toda grávida. Prenhe de tudo o que podia ser, mas raramente é. Porque quero dormir, mas não durmo. Quero ver filme e adormeço. É tempo que me leva a energia. E é justo o tempo que teria. Mas não tenho. Porque ainda estou no trabalho. Porque depois tenho que buscar minha filha. E outras crianças, às vezes. Porque tempo tempo tempo és um senhor tão bonito.

 

Depois já é noite. E fico toda atarefada. Entre o que devo fazer, o que precisava, o que não quero, o que deixo para amanhã. O que me dá mais trabalho justo por não ter sido concretizado e ficar apenas no plano do martelamento do juízo. Procrastinação. Ou coisa parecida.

 

Deito para dormir, mas não durmo. Seria exagero ou mentira dizer assim. Esse  "não". Absoluto. Horas a fio, insone. Durmo e acordo de madrugada. E a madrugada me paralisa com braços invisíveis. Contraproducente acordar assim, de supetão. Atada. 

 

Antes de conferir, faço minha oração. Ó pai, fazei com que agora já sejam seis horas da manhã. Pode ser até cinco. Já estaria bom. Mas isso não digo na reza. É segredo meu. Que também guardo boa relação com as cores que antecedem o pleno amanhecer. O amanhecido.

 

Sou assim ó – dedos indicadores roçando um no outro – com a transição dos turnos do céu.

 

Mas qual o quê. É meia noite. Duas. Três e cinquenta e três. Que dei para olhar para o relógio justo às 3h53. Não quero saber o que diz a Internet sobre isso. Recado dos anjos. 

 

E eu saio arrastando a barra do robe – se houvesse um. Saio penumbra gelando os pés na cerâmica pouco receptiva. Vou à cozinha. Mas não acendo a luz. Lá na frente. E do outro lado. Há janelas. E não quero ser vista por vizinhos. Insones. Festeiros. Amantes. Adictos.

 

Eu só queria chegar no amanhã de forma mais convencional. E seja como for, o amanhã logo me consome. É tenra manhã e já não dou bom dia.

 

Porque esse negócio de dar bom dia pode parecer febre de redes sociais. E invasão de privacidade. E mais um tanto de não recomendações. Deixo para dali a pouco.

 

Já faz tanto tempo que não dizemos bom dia, que pareceria meio estranho. Sair-me assim, de repente, com essa. E vai que as palavras te pegam dando bom dia a outra pessoa. E ficam suspensas no ar. Sem receptividade. Desvalidas.

 

Eu gostava mesmo daquela época. E da linha silenciosa que nos liga. Porque liga. Isso não está no passado. É um bom dia como o mantra OM. Se arrastando. Fica inaudível. Mas fica. Vibra. Ondas infinitas. Som de cumprimento.

 

Porque te dou bom dia. Mesmo assim, sem dar.

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

© 2017 por Waleska Barbosa. Orgulhosamente criado com Wix.com por Mauro Siqueira.

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round