Please reload

PROCURE POR TAGS: 

05.08.2020

04.08.2020

11.07.2020

07.07.2020

Please reload

POSTS RECENTES: 

SIGA

  • Facebook Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • Instagram Clean Grey

A ESTUDANTE E A SOLIDÃO

21.02.2017

A estudante sabe muita coisa já. O que continua sem resposta é como conseguir alguém para amar. É só o que ela quer da vida, fora defender seu trabalho acadêmico. Será que é tão difícil assim? Enfatiza a questão com gestos contundentes nas mãos.

 

Tem sido difícil assim. Há um ano ou mais está sozinha. Não consegue entender a razão da imposição do destino, se é justamente o contrário o que ela deseja.

 

Alguém para beijar, dar carinho, dormir de conchinha. O último cara com quem fez tudo isso sumiu no mundo sem querer dar tchau. O próximo que veio, um bom tempo depois, demonstrou que ficaria pouco.

 

E ela continua se fazendo a pergunta. Se consumindo e consumando com prováveis respostas. Não é bonita, não é interessante, não sabe dançar, não é simpática, não conhece muita gente, é chegada em momentos de quietude e isolamento – parece uma receita infalível para a solidão – viver só, morrer só. Ter filhos só.

 

A estudante, jovem ainda, colocou na cabeça que nunca aparecerá um homem disposto a lhe deixar um filho no ventre. E que o rebento mesmo assim será feito.

 

Ela até gosta de alardear sua solução pragmática para a questão – uma clínica de fertilização. Mas dentro dos olhos demonstra uma dor lancinante ante essa possibilidade.

 

Ninguém dava crédito à profecia. Mas você, tão jovem? Para ela, a juventude havia ido há muito. Talvez nunca tivesse vindo. Já nascera velha. Obrigada a sintonizar seus neurônios a um mundo muito acima do seu. Quando criança, já era adulta. Adulta agora, se sentia curvada pelo tempo e pela falta de amor.

 

Sobre o amor, sabia o que lera. Havia tirado suas conclusões. Feito suas análises. Colecionado os ensinamentos mais preciosos.

 

‘Se o amor existe...deve ser livre e não pode existir quando há sofrimento. Confundimos amor com sofrimento e necessidade. O sofrimento é um sentimento pessoal, do indivíduo.  Além disso, na solidão pode se viver tranquilamente, consertando os apegos psicológicos criados pelo sofrimento’.

 

O sábio falou. E daí? Não acredita nessa de que na solidão se pode viver tranquilamente. Mentira. Mentira de sábio que não fode, que fica bem na abstinência, que está impassível a tudo. Inatingível. Mentira dela também.

 

Ela, ela tem suas necessidades. É mortal. É humana.

 

Umas vezes fustigada, noutras redimida, ocupa os espaços e o tempo com o que há de mais interessante. Com coisas de que gosta mesmo – lê, estuda, faz uma comidinha, telefona para a mãe, ouve música, assiste a filmes.

 

Mas o tempo não ocupa espaço. Nem é afável.

 

Demorarei na solidão não sei quanto tempo – avisa.

 

No fundo não gosto da solidão que tanto defendo – responde a si mesma.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

© 2017 por Waleska Barbosa. Orgulhosamente criado com Wix.com por Mauro Siqueira.

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round